• Lorena Leite | @advlorenaleite

Conheça as 07 principais métricas para uma startup ter sucesso!


gif

Todo empreendedor precisa avaliar, de forma contínua, o desempenho da sua empresa, principalmente na parte financeira. Tratando de uma startup, essa realidade é ainda mais importante, pois medir performance é questão de sobrevivência! Para isso, é necessário que o empreendedor conheça métricas para saber se o negócio está sendo mesmo rentável.


Antes de indicarmos quais são essas métricas, vamos entender o que elas são: Métricas são conjuntos de valores determináveis, caracterizados em forma de indicadores e índices. Com a métrica, é possível que o empreendedor consiga avaliar, medir e acompanhar o desempenho de ações, processos e resultados da sua startup.


Entendendo essa importância, trouxemos, neste artigo, alguns dos principais indicadores que uma startup deve acompanhar para saber lidar com o crescimento e, também, poder criar estratégias para minimizar riscos.


1 - Escalabilidade

O primeiro indicador é o ponto que todo empreendedor busca: ver o seu negócio crescer!


Para atingir este objetivo, que não é tarefa fácil, é necessário que a empresa acompanhe os números de alguns meses, para entender o seu crescimento. A escalabilidade é aferida mensurando o crescimento das receitas em relação ao das despesas. Ou seja, o raciocínio é este: para garantir rentabilidade, a receita deve ser bem maior do que as despesas. Assim, demonstra-se que o produto ou serviço da startup poderá ser comercializado em larga escala sem altos investimentos.


2 - Custo de Aquisição de Cliente (CAC)

O Custo de Aquisição de Clientes (CAC) é uma métrica que pode ser ligada ao aspecto financeiro, mas também à área de marketing, e tem como finalidade apontar o gasto médio de todos os seus esforços para adquirir um cliente.


Se o CAC estiver muito alto, é um sinal de atenção, visto que a startup está gastando muito para conseguir novos usuários.


Para calcular o custo de aquisição de clientes, é importante incluir gastos com salários, treinamentos, ferramentas, softwares, reuniões, brindes e tudo mais que é utilizado na empresa no esforço de marketing de vendas.


No fim, quanto menor o CAC, mais lucro a startup terá com uma venda.


3 - Taxa de crescimento

É uma métrica que serve, também, para acompanhar o percentual de crescimento da empresa, tomando como base novos negócios e o aumento da receita. Além disso, essa análise é importante para que o planejamento dos próximos meses ou anos seja feito de forma adequada, com metas bem definidas.


Essa métrica, que pode ser calculada de forma mensal ou de forma anual, deve ser acompanhada do MRR (Receita Recorrente Mensal) e ARR (Receita Recorrente Anual), para que assim, seja feita uma comparação.


Além disso, é importante, no momento do cálculo, que o empreendedor leve em consideração a inflação, assim garantirá um cálculo mais preciso.


4 - Lifetime Value ou Valor do Tempo de Vida (LTV)

Essa métrica é essencial para manter a saúde de uma startup! Ela estima o lucro líquido da “vida” de um cliente dentro da empresa.


O valor vitalício de um cliente é quanto dinheiro ele vai gerar para a empresa, por todo o tempo em que comprar dela.


O LTV pode ser calculado a partir de uma fórmula bem simples:

LTV = (ticket médio × média de compras por cliente anual) × média de tempo de permanência do cliente na empresa.


O objetivo é analisar os clientes, de forma geral, e encontrar a média de valor gasto e o tempo de permanência para, a partir disso, fazer os ajustes necessários, tanto para aumento de valores, como para fazer com que os clientes fiquem por mais tempo, ou compram mais.


5 - Índice de cancelamento (Churn Rate)

Quanto ao índice de cancelamento, é a métrica responsável por medir a porcentagem de evasão de clientes ou de cancelamentos de contratos. Ele aponta quantos clientes estão saindo da base de uma startup em um período específico, assim, o empreendedor poderá verificar se essas saídas estão dentro do padrão, ou se será necessário desenvolver projetos e ações para reter esses clientes.


Para conseguir calcular essa taxa, o empreendedor deverá dividir o número de clientes que cancelaram um serviço pelo total de clientes ativos no mesmo período.


Para manter esse índice atualizado, é importante que o cálculo seja feito, no máximo, a cada 90 (noventa) dias.


6 - Receita recorrente mensal (MRR)

Esse indicador é importante para mostrar quanto a startup fatura com seus clientes fixos. Com o acompanhamento do MRR, é possível calcular a média de faturamento de determinado serviço, durante um determinado período, e, assim, realizar uma projeção.


Por exemplo, se o seu produto conta com 100 clientes que pagam 200 reais por mês, o MRR vai ser de R$ 20.000,00.


Essa métrica é indispensável, principalmente, para startups que trabalham com planos ou assinaturas mensais.


7 - Receita recorrente anual (ARR)

Quanto a este último indicador, o ARR é a métrica para que o empreendedor acompanhe a receita anual da startup. Para o cálculo dessa taxa, é necessário excluir taxas únicas, que não são recorrentes, e taxas de serviços profissionais.


Essa métrica é fundamental para buscar investimentos, planejar estratégias de negócios e/ou corrigir falhas estratégicas.


Para que o empreendedor descubra o ARR da sua startup, basta somar os MRR dos últimos 12 (doze) meses.

Além dessas, existem muitas outras maneiras de o empreendedor medir o desempenho da sua startup.


Acompanhar esses indicadores é primordial para que o negócio continue a se desenvolver de forma saudável, sempre focado nas melhores ações.


O importante na hora de definir suas métricas é olhar claramente para o objetivo da sua startup e definir suas prioridades. Além disso, essas métricas também permitem entender o comportamento do cliente e a satisfação dele com o produto ou serviço.